quarta-feira, 21 de maio de 2008

Charge

Bem, estou postando uma charge feita por dois componentes do grupo, ela mostra um problema que existe muito na África, a caça para vender as partes de animais. Um exemplo é a mão do gorila, que é utilizada como cinzeiro:




Elaboradores: Victor Hugo nº38
Victor Rendall nº39




Paródia da música Palácios e castelos (Via Circular) - Seca e desertificação

Estamos colocando no blog uma paródia da música "Palácios e castelos" que retrata os problemas ambientais da África:

video

Elaboradoras: Paula Lima nº33

Tatiana nº37

Vídeo sobre problemas ambientais

Este vídeo mostra, através de imagens, os problemas ambientais encontrados na África.

video

Este vídeo foi feito por:

Vitor Costa nº42

Vinicius Sampaio nº40

Silas Santana nº36

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Seca, fome e desmatamento na África

Seca

Na África, morre uma criança a cada quinze segundos, porque não tem acesso à água potável e a seca está a agravar-se cada vez mais, especialmente no corno da África.A seca devastadora e, o que ela provocava, uma imensa quantidade de mortes devido à fome, começou a diminuir em meados do ano, ao mesmo tempo que chegavam toneladas de ajuda humanitária, e as primeiras chuvas em seis anos.

Fome

A fome é um dos maiores problemas existentes na África, ela vem piorando e ameaça grande parte da população africana a cada dia. 18 milhões de pessoas correm o risco de passar fome na Etiópia, Eritréia e no Sudão. Vários habitantes de Quênia, Somália e Tanzânia também estão correndo risco de vida.A África tem 16 dos 18 países pior alimentados do mundo.

Desmatamento

A África é uma das regiões do globo terrestre mais atingida pelo desmatamento, devido principalmente ao corte de madeira para exploração, comércio que movimenta bilhões de dólares a cada ano. O continente africano foi responsável por 55% da perda total de florestas no mundo.



Elaboradores: Vinicius Viena nº41 7ªA
Roberta nº35
Rafael nº34

África: Animais extintos

Extinção na África

Este é, porventura, o continente que mais associamos à natureza selvagem. De fato, muitos dos animais que vemos em jardins zoológicos e circos (os elefantes, as zebras, os macacos, os leões, etc...)são originários da África.Mas a caça furtiva tem vindo a diminuir o número de populações no seu habitat natural (as florestas, as savanas e as montanhas deste continente).Sabemos quais são as espécies mais ameaçadas, mas fazemos pouco para as proteger, se bem que a responsabilidade desta tarefa deva ser atribuída aos governantes, que infelizmente estão mais preocupados com a sua fortuna pessoal, do que com a destruição de grandes extensões de mata selvagem.Conseqüentemente, os animais e plantas que ali vivem são os grandes prejudicados.

Animais extintos

Gorila da Montanha:

Habitat natural: Florestas tropicais secundárias.
Hábitos alimentares: Os gorilas são animais predominantemente herbívoros, alimentando-se de folhas e rebentos.
Tamanho: Macho: média de altura de 1,70 metros; Fêmea: média de altura de 1,50 metros.
Peso: Macho: 160 kg; Fêmea: 90 kg (em liberdade).
Período de gestação: 250-270 dias
Número de crias: 1, gêmeos raros
Tempo médio de vida: 35 anos.
Estado de conservação da espécie: Esta espécie encontra-se em perigo de extinção, devido à caça e à destruição do seu habitat natural.


Leão:

Nome Científico: Panthera leo
Distribuição geográfica: África, pequena porção na Índia, Balcãs e Grécia.
Habitat natural: Savana.
Hábitos alimentares: é carnívoro. Geralmente as fêmeas caçam e alimentam todo o grupo, mas o macho costuma ser o primeiro a alimentar-se. Quando o macho estiver saciado, as leoas e as crias podem alimentar-se. Da sua alimentação consistem: gnus, zebras, búfalos, gazelas, girafas e antílopes.
Comprimento: 2 m mais a cauda.
Altura: 1 m.
Peso: em média 250 kg.
Período de gestação: De 102 a 113 dias.Número de crias: De 2 a 3 Tempo médio de vida: 20 anos.
Estado de conservação da espécie: Não globalmente ameaçado de extinção, mas vulnerável.

Rinoceronte Negro:

Nome Científico: Diceros bicornis
Distribuição geográfica: África do Sul, Quênia, Malawi, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia e Zimbábue.
Habitat natural: pastagens, savanas e locais com abundância de arbustos.
Hábitos alimentares: é herbívoro. Come folhas de acácias e ervas. Desloca-se a grandes distâncias para conseguir água.
Tamanho: O comprimento varia entre os 3 metros e os 3,80 metros. A altura situa-se entre 1,40 metros e 1,70 metros.
Peso: De 800 kg a 1350 kg. Período de gestação: De 420 a 570 dias.
Número de crias: 1
Tempo médio de vida: Cerca de 35 anos.
Estado de conservação das espécies: Todas as espécies de rinocerontes se encontram ameaçadas de extinção, devido ao fato de serem muito pouco férteis – cada fêmea só tem uma cria de 2 em 2 anos – e, portanto, muito vulneráveis à caça, para além de sofrerem pela destruição do seu habitat. Eles têm sido caçados intensivamente porque praticamente todas as suas partes são usadas na medicina tradicional. A parte mais valiosa é o corno, que tem sido usado como afrodisíaco, para curar febres, para cabos de adagas, ou para preparar uma poção que supostamente permite detectar venenos.

Chimpanzé:

Nome Científico: Pan Troglodytes
Distribuição geográfica: Ocidente e centro de África, norte do rio Zaire, do Senegal à Tanzânia. Habitat natural: Florestas úmidas produtoras de frutos. Desde o nível do mar até os 2000 m Hábitos alimentares: Frutas, cerca de 5% de insetos e pequenos mamíferos.
Tamanho: Macho 77-92 cm; Fêmea: 70-85 cm.
Peso: Macho: 40 kg; Fêmea: 30 kg (em liberdade).
Período de gestação: 230-240 dias.
Número de crias: 1, gêmeos raros
Tempo médio de vida: 40 a 45 anos.
Estado de conservação da espécie: Devido à destruição do seu habitat e à caça ilegal de chimpanzés pelo mercado de carne e de animais, pensa-se que restam apenas 150.000 chimpanzés nos bosques e florestas da África Central e Ocidental. Há um século atrás havia aproximadamente dois milhões.






Elaboradores: Vinicius Viena nº41 7ªA
Roberta nº35
Rafael nº34

O Sahel

Sahel



O Sahel é uma zona que fica em baixo do deserto do Saara, como é mostrado na figura acima pela cor laranja.
Pensa-se que a agricultura no Sahel está condenada ao fracasso, mas, ao contrário, ela é protegida por uma “cintura verde” constituída por uma flora altamente diversificada, que – por não ter sido usada pelo homem - a protege dos ventos do Saara.
No entanto, o Sahel tem sido palco de longos períodos de seca que, por exemplo, em 1968-1974 levaram a uma situação de fome nos países da região, o que levou à fundação do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, uma agência das Nações Unidas.

Também é conhecida por ser a região que apresenta os mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo. Alguns países passaram por fortes guerras civis, ditaduras e regimes autoritários. Apesar da beleza natural, a pobreza, a fome e o alto índice de contaminação pelo vírus da AIDS ainda fazem parte do cotidiano da região mais paupérrima do planeta.

Elaboradores: Vinicius Viena nº41 7ªA

Roberta nº35

Rafael nº34